É seguro abrir um coworking no Brasil? - CWK Coworking

Voltar

É seguro abrir um coworking no Brasil?

Os empreendedores mais jovens estão mudando determinados hábitos no mercado de trabalho. Se antes o estabelecimento de seu negócio era realizado em um local fechado apenas para suas atividades; os mesmos empresários viram no home office a solução, seja pela economia ou pela liberdade.

No entanto, essa fórmula também tem sido colocada em xeque por alguns motivos. Para fazer frente a essas alternativas, surge o coworking, que valoriza muito a independência e, por outro lado, a coletividade. Por conta dessa procura por um local em que os empreendedores podem concretizar seus objetivos, os escritórios compartilhados podem ser a grande promessa para os dias atuais e o futuro.

Mas é seguro abrir um coworking? Por quê?

Diante da procura de muitos jovens que desejam oficializar seus negócios, sobretudo startups, podemos dizer que o retorno não é ruim. Muito pelo contrário, diante de uma baixa expectativa da economia para 2016 e 2017, os resultados têm sido surpreendentes para os proprietários de um coworking. A tendência é de alta.

Coworking 2016 em números

O coworking cresceu 52% em 2016 em comparação ao ano anterior, segundo estudo realizado pelo Movebla e Ekonomio, em parceria com a Coworking Brasil e apoio do Seats2meets. Atualmente, os escritórios estão em 378 escritórios, em sua grande maioria localizada na região sudeste: São Paulo (148), Minas Gerais (37), Rio de Janeiro (35); com considerável aumento na Bahia (nordeste) e no Distrito Federal (centro-oeste).

A origem das rendas

O levantamento divulgou também a origem das rendas geradas em um coworking. Esses espaços funcionam como ótimas oportunidades de negócio. Muitos deles obtêm lucros em locação das posições de trabalho (73%), locação de salas privativas (61%), locação de salas de reunião (47%), locação para eventos, treinamentos e workshops (47%) e serviços gerais – escritório virtual, endereço fiscal, etc – (35%), recursos próprios (18%), outros (7%) e contribuição voluntária (2%).

Diante de uma expectativa tão bem-sucedida como esta, os proprietários que desejam investir no segmento estão com tudo para deslanchar. É importante salientar, no entanto, que o coworking precisa oferecer comodidade total aos empreendedores, como infraestrutura, funcionalidade e flexibilidade.

Leia também nosso post que fala sobre o cenário do coworking em 2017.

 Clique aqui e fale conosco

Fique atualizado

Receba um conteúdo exclusivo da CWK diretamente no seu e-mail.

Deixe uma resposta

Assine nossa Newsletter